Visualizador de Visitas

OBRIGADA

quinta-feira, 30 de abril de 2015

AV2 - PEDAGOGIA - EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS (unopar) 3º Semestre


Questão 1

Nota: Não gerada
Leia a seguinte notícia sobre uma escola: "Já no quesito estrutura física, as salas de aula não são forradas, possuem goteiras, e as infiltrações e mofos tomam conta dos espaços. Até mesmo pombos invadiram os ambientes. No ano passado, as aulas de informática tiveram de ser suspensas diante da infestação de piolhos das aves. A vigilância sanitária chegou a ser acionada, mas não tomou iniciativa porque o município não dispõe de condições para comprar repelentes. Os banheiros também não são adaptados dentro das normas de acessibilidade, e o pátio está cheio de entulhos, além da ausência de área recreativa." (POCONET. Justiça manda prefeitura de Rosário Oeste ampliar repasses a Apae, 13 de mar. de 2015. Disponível em: http://www.poconet.com.br/noticia/justica-manda-pr.... Acesso em 14 mar. 2015)
Diante de notícias como essa, podemos concluir que:

Alternativas

  • 1 -
    há inclusão nos espaços escolares e ela já foi plenamente realizada, por isso o edifício da escola citada no texto está sem manutenção.
  • 2 -
    existe uma grande diferença entre o discurso sobre a inclusão e a efetiva prática dessa inclusão nas escolas.
  • 3 -
    há escolas especializadas em inclusão e as demais não devem aceitar alunos que precisam de atendimento especializado.
  • 4 -
    existe uma reação de completa aceitação da inclusão nas escolas públicas, por isso as instituições especializadas como as Apaes deveriam ser fechadas.

Sua resposta

2 -
existe uma grande diferença entre o discurso sobre a inclusão e a efetiva prática dessa inclusão nas escolas.

Questão 2

Nota: Não gerada
Observe a imagem:
Imagem: escadas de uma escola pública com mais de 50 anos. Fonte: autor.
A existência de tantas escadas em uma escola pública pode ser, em parte, explicada pelo fato de:

Alternativas

  • 1 -
    as escadas serem muito mais acessíveis do que outros meios.
  • 2 -
    os professores preferirem escadas no lugar de elevadores.
  • 3 -
    o Estado ter uma grande preocupação com a inclusão desde muito antigamente.
  • 4 -
    a escola brasileira não ter sido, ao longo da história, pensada para incluir.

Sua resposta

4 -
a escola brasileira não ter sido, ao longo da história, pensada para incluir.

Questão 3

Nota: Não gerada
Observe:
Diversity means understanding that each individual is DIFFERENT in some way shape or form, but at the end of the day EVERYBODY is human. Diversity means understanding that each individual is DIFFERENT in some way shape or form, but at the end of the day EVERYBODY is human.

Imagem: Todo mundo é diferente. Todo mundo é humano. Fonte:https://www.pinterest.com/pin/336362665893706616/
A respeito da mensagem transmitida pela imagem, podemos afirmar:

Alternativas

  • 1 -
    o autor da imagem pretende afirmar que a sociedade é heterogênea.
  • 2 -
    o autor defende a desigualdade social.
  • 3 -
    a imagem representa a superioridade branca.
  • 4 -
    a imagem demonstra a impossibilidade de convivência na sociedade.

Sua resposta

1 -
o autor da imagem pretende afirmar que a sociedade é heterogênea.

Questão 4

Nota: Não gerada
Observe:
Imagem: Olhe para além dos estereótipos. Fonte: https://www.pinterest.com/pin/53972895505144974/[adaptado].
Sobre os estereótipos sociais podemos afirmar:

Alternativas

  • 1 -
    devem ser utilizados para classificar apropriadamente os indivíduos e grupos.
  • 2 -
    podem ser usados, desde que seja para outros povos que não àquele ao qual pertencemos.
  • 3 -
    são construídos a partir de rótulos pré-definidos, pelos quais julgamos os indivíduos ou grupos.
  • 4 -
    representam uma classificação científica e cultural dos grupos humanos e, deste ponto de vista, são justos.

Sua resposta

3 -
são construídos a partir de rótulos pré-definidos, pelos quais julgamos os indivíduos ou grupos.

Questão 5

Nota: Não gerada
Observe:
Imagem: Tentando comunicar-se. Fonte: https://www.pinterest.com/pin/461830136759758745/
Sobre a importância da comunicação nas relações humanas, podemos afirmar:

Alternativas

  • 1 -
    o preconceito decorre do excesso de conhecimento que temos do outro.
  • 2 -
    a comunicação intensifica os estereótipos e o preconceito.
  • 3 -
    o preconceito somente pode ser combatido pelo isolamento dos diferentes.
  • 4 -
    a comunicação deve promover o conhecimento mútuo, diminuindo o preconceito.

Sua resposta

4 -
a comunicação deve promover o conhecimento mútuo, diminuindo o preconceito.
Enviado sem erros



AV1 - PEDAGOGIA - EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS (Unopar) 3º SEMESTRE

Questão 1

Nota: Não gerada
O que podemos entender sobre o conceito de representação?

Alternativas

  • 1 -
    são imagens que temos a respeito das situações cotidianas;
  • 2 -
    são os estudos sobre o desenvolvimento das percepções sociais;
  • 3 -
    são estruturas mentais que nos permitem ler o mundo;
  • 4 -
    são momentos de definição dos conceitos que fundamentam as relações sociais;

Sua resposta

3 -
são estruturas mentais que nos permitem ler o mundo;

Questão 2

Nota: Não gerada
Nós seres humanos damos importância a determinados aspectos e não a outros. A cor da pele é algo que nos interessa e também é elemento para a construção do preconceito. Desta forma podemos entender que o preconceito é:

Alternativas

  • 1 -
    legado da civilização da idade média;
  • 2 -
    constituído a partir da diferença entre as raças;
  • 3 -
    organizado apenas pelas populações brancas;
  • 4 -
    fruto das representações sociais;

Sua resposta

4 -
fruto das representações sociais;

Questão 3

Nota: Não gerada
Qual é o papel do pedagogo na escola?

Alternativas

  • 1 -
    promover a inclusão verdadeira das diferenças, inclusive entre os professores, não permitindo que o preconceito continue a ser transmitido.
  • 2 -
    desenvolver atitudes de combate ao racismo e ao preconceito através de estudos sobre as diferenças raciais;
  • 3 -
    concretizar o desenvolvimento de atitudes positivas em relação ao racismo;
  • 4 -
    priorizar o desenvolvimento de expressões que tenham como base as representações negativas sobre os alunos;

Sua resposta

1 -
promover a inclusão verdadeira das diferenças, inclusive entre os professores, não permitindo que o preconceito continue a ser transmitido.

Questão 4

Nota: Não gerada
O que significa incluir quando na realidade temos apenas propostas de inclusão que atentam ao mercado de trabalho?

Alternativas

  • 1 -
    Significa inserir todos os alunos, ricos e pobres, na sala de aula;
  • 2 -
    significa fornecer aos indivíduos as condições de serem livres, de serem cidadãos reais;
  • 3 -
    Significa inserir alunos com dificuldades de aprendizagem e alunos normais na mesma sala de aula;
  • 4 -
    significa proporcionar uma educação de qualidade a todos os alunos do ensino básico;

Sua resposta

2 -
significa fornecer aos indivíduos as condições de serem livres, de serem cidadãos reais;

Questão 5

Nota: Não gerada
A inclusão escolar, processo ainda objeto de preocupações a respeito do seu significado e do modo de torná-la uma realidade em nossos sistemas educacionais, pressupõe que:

Alternativas

  • 1 -
    a realização de adaptações físicas nas escolas é suficiente para atender às exigências da educação inclusiva.
  • 2 -
    a educação inclusiva deve acolher a todos, sem exceção, porque o ensino escolar comum é um direito fundamental humano.
  • 3 -
    a educação inclusiva tem como enfoque estudantes com deficiências físicas, comprometimento mental e superdotados.
  • 4 -
    educação inclusiva e educação especial são termos diferentes para um mesmo processo educacional.

Sua resposta

2 -
a educação inclusiva deve acolher a todos, sem exceção, porque o ensino escolar comum é um direito fundamental humano.



Enviado sem nenhum erro (deu certo)

1º DE MAIO DIA DO TRABALHADOR


Desde o fim do século XIX, nos Estados Unidos da América, no Brasil e em vários outros países ocidentais, o dia 1º de maio é tido como o Dia do Trabalho ou o Dia do Trabalhador. Tal data foi escolhida em razão de uma onda de manifestações e conflitos violentos que se desencadeou a partir de uma greve geral. Essa greve paralisou os parques industriais da cidade deChicago (EUA), no dia 1º de maio de 1886. Para compreendermos os motivos que levaram os trabalhadores a tal greve e o porquê da escolha desse dia como marco de memória, é necessário conhecer um pouco do contexto do período.
Sabemos que, durante o século XVIII, ocorreu, em solo inglês, um dos acontecimentos mais importantes da história da humanidade: a Revolução Industrial. Da Inglaterra, o processo de industrialização alastrou-se, inicialmente, pela Europa e, depois, para outros continentes, como o americano. Uma das consequências mais patentes da Revolução Industrial foi a formação de grandes centros urbanos, fato que gerou, consequentemente, uma grande concentração de pessoas em seu entorno, sobretudo de operários, cujo trabalho nutria as indústrias.
A formação da classe operária demandou uma série de necessidades que nem sempre era efetivamente cumprida pela burguesia industrial. As horas trabalhadas eram, muitas vezes, excessivas e a relação entre empregado e empregador nem sempre era amistosa. Nesse contexto, surgiram os sindicatos e os movimentos de trabalhadores, orientados por ideologias de esquerda, como o anarquismo (anarcossindicalismo) e o comunismo.
A principal forma de ação das organizações de trabalhadores com vistas à exigência de direitos era a greve. A greve geral tornou-se um instrumento de pressão frequentemente usado. Entretanto, às greves também se juntavam outras práticas, como a ação direta, que consistia em manifestações violentas. A greve geral de 1º de maio de 1886, em Chicago, resultou em forte repressão policial. Tal repressão estimulou ainda mais manifestações que transcorreram nos dias seguintes.
No dia 04 de maio, em uma manifestação na praça Haymarket, na cidade referida, uma bomba explodiu matando sete e ferindo dezenas de pessoas, entre policiais e manifestantes. A explosão de tal bomba provocou o revide dos policias com tiros sobre os manifestantes. Outras dezenas de pessoas morreram na mesma praça. Esse conjunto de eventos, desencadeados a parir de 1º de maio, tornou-se símbolo para as manifestações e lutas por direitos trabalhistas nas décadas seguintes em várias partes do mundo.
No caso específico do Brasil, a menção ao dia 1º de maio começou já na década de 1890, quando a República já estava instituída e começava um processo acentuado do desenvolvimento da indústria brasileira. Nas duas primeiras décadas do século XX, começaram a formar-se os movimentos de trabalhadores organizados, sobretudo em São Paulo e no Rio de janeiro. Entre esses movimentos, também figuravam ideologias como o anarcossindicalismo, de matriz italiana, e o comunismo.
Em 1917, a cidade de São Paulo protagonizou uma das maiores greves gerais já registradas. A força que o movimento dos trabalhadores adquiriu era tamanha que, em 1925, o então presidente Arthur Bernardes acatou a sugestão que já ventilava em várias partes do mundo de reservar o dia 1º de maio como Dia do Trabalho no Brasil. Dessa forma, desde esse ano o 1º de maio passou a ser feriado nacional. Na época do Estado Novo varguista, a data era deliberadamente usada para eventos de autopromoção do governo, com festas para os trabalhadores e muitos discursos demagógicos.

Fazendeiro diz que filho sequestrado passou fome, sede e perdeu 8kg

Paulo Antônio Batista se emocionam ao reencontrar o filho resgatado em cativeiro; vídeo em Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Pai se emociona ao encontrar filho resgatado após 22 dias

O estudante de agronomia Paulo Antônio Batista Filho, de 21 anos, que foi libertado após mais de um mês em cativeiro, passou fome e sede neste período, perdendo 8kg. Pai do jovem, o fazendeiro Paulo Antônio Batista, que o filho teve "muito medo de morrer". "Eles sempre o ameaçavam. Ele disse que teve muitas horas que ele pensava que ia morrer, mas em seguida dava aquela força, acho que das orações, e isso levantava ele", conta.
Localizado na segunda-feira (27) em uma casa de Goianira, na Região Metropolitana de Goiânia, o estudante foi sequestrado na Fazenda Jaboticabal, que pertencente à sua família, em Nova Fátima, a 35 km de capital. A propriedade é famosa por ter o maior número de pés de jabuticaba no país. 
Sequestrado em 26 de março, Paulo passou o primeiro dia refém em uma mata. Em seguida, o jovem foi levado a um local não identificado, onde ficou por quatro dias. Como o esconderijo era muito pequeno, o estudante disse aos sequestradores que não sobreviveria no lugar.
"Ele ficou quatro dias em um local que não dava nem para espichar as pernas. Ele disse que não ia aguentar ficar lá e pediu para trocar de lugar. Eles viram que não dava mesmo e trocaram", relatou o fazendeiro.
Com isso, os sequestradores levaram Paulo para a casa em que foi encontrado, em Goianira. O estudante ficou algemado a uma tampa de concreto dentro do banheiro. Conforme o pai da vítima, o filho não teve muito contato com criminosos, pois eles o deixavam sozinho no imóvel. Paulo não pedia socorro por medo.
Negociação
O fazendeiro conta que foram dias “muito difíceis e angustiantes” para a família. Nesse período, ele recebeu apenas duas provas de que o filho estava vivo: duas cartas escritas à mão pelo estudante.

Sem revelar detalhes da negociação, Paulo apenas afirma que o contato por telefone com os sequestradores era complicado. “Negociar a vida do filho com bandido não é fácil. Eles não eram agressivos, mas eram duros, queriam que eu fizesse o que eles queriam, mas não tinha condições”. Ele não informou a quantia pedida pelos criminosos.
De acordo com Paulo, ele fez uma promessa para que o filho fosse resgatado com vida. “Se Deus devolvesse meu filho sem nenhum arranhão, prometi que não ia dar nenhum arranhão no sequestrador. Não estou com ódio deles, não quero vingança. Só quero que paguem na Justiça pelo que fizeram”, afirma o fazendeiro.
Presos
Oito suspeitos de participar do crime estão presos. Sete foram detidos pela polícia e, na quarta-feira (29), um jovem de 19 anos se entregou.

Paulo Antônio Batista ficou acorrentado a tampa de concreto no chão de banheiro em Goianira, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Estudante foi achado no chão de banheiro em casa
de Goianira 
De acordo com o advogado Luan Lucas Mota Gomes, que defende o suspeito que se entregou, o cliente levou comida para Paulo durante quatro dias no cativeiro, mas "viu que era coisa grave e decidiu ir embora". O rapaz, que morava em Goianira, fugiu para Brasília. Segundo a defesa, o ele não chegou a receber nada pelo trabalho.
Em relação aos demais detidos, três são da mesma família: um casal e o filho. Outro filho, que seria o líder do grupo, está foragido. A namorada do suspeito preso seria quem cozinhava para o sequestrado. A Polícia Civil continua com as buscas pelo fugitivo.
Mudança de rotina
Apesar da fragilidade, Paulo passa bem. Segundo o pai, ele já se encontrou com amigos, colegas e professores de faculdade. O fazendeiro adiantou que o filho vai receber acompanhamento psicológico para ajudar a superar o trauma.

No dia do crime, dois dos criminosos chegaram a pé procurando emprego. Ao serem informados de que os donos não estavam contratando, a dupla anunciou o assalto.
Os suspeitos levaram R$ 2 mil em dinheiro, um celular e um carro, onde colocaram o jovem. O restante da família foi presa em um quarto da casa e libertada dez minutos depois por visitantes.
Mesmo após o crime, a fazenda continuará funcionando normalmente e aberta ao público. No entanto, eles terão uma rotina mais segura. “A gente tem que mudar, quero segurança para a minha família, hoje em dia as coisas estão difíceis”, diz.

Mãe de bebê resgatado após 22 horas no Nepal diz que ouvia seu choro

Foto de domingo (26) mostra o bebê Sonit Awal sendo retirado dos escombros de sua casa após ficar 22 horas soterrado no Nepal (Foto: Amul Thapa/Kathmandu Today via AP)

A mãe do bebê de apenas 5 meses que ficou mais de 22 horas soterrado em escombros após o forte terremoto que atingiu o Nepal no fim de semana disse que conseguia ouvir a criança chorando durante o período em que ela ficou presa nos destroços.
“Eu conseguia ouvi-lo chorando nas ruínas de nossa casa”, contou Rasmila Awal, mãe de Sonit Awal ao jornal “Daily Mail”.
O menino foi resgatado por soldados nepaleses com seu rosto e corpo cobertos de poeira. Ele estava em casa em Muldhoka, a leste da capital Katmandu, no sábado (25) quando o terremoto de magnitude 7,8 aconteceu.  Um armário que caiu sobre ele, deixando um espaço e protegendo-o, foi o que o salvou da morte.
Sonit dormia em seu berço na parte de cima da casa quando as paredes do imóvel de quatro andares começaram a rachar e cair sobre ele. Seus pais e sua irmã mais velha, de 10 anos, estavam do lado de fora, e tentaram desesperadamente tirar o menino dos escombros.
Durante as horas de procura, familiares e amigos usaram as próprias mãos para retirar os escombros e tentar achar o menino. Sem equipamentos, entretanto, o trabalho era quase impossível.
Rasmila falou sobre a “alegria incontrolável” que ela sentiu quando a equipe de resgate finalmente chegou e conseguiu tirar Sonit dos escombros, com apenas um arranhão em seu rosto.
“Estou muito feliz de ter meu bebê de volta. Estou muito feliz que ele está vivo.”
“Deus me deu meu filho de volta, quero que ele tenha uma vida boa e seja bom com os outros”, afirmou.
Foto de domingo (26) mostra o bebê Sonit Awal sendo retirado dos escombros de sua casa após ficar 22 horas soterrado no Nepal (Foto: Amul Thapa/Kathmandu Today via AP)Foto de domingo (26) mostra o bebê Sonit Awal sendo retirado dos escombros de sua casa após ficar 22 horas soterrado no Nepal 
Foto de domingo (26) mostra o bebê Sonit Awal sendo retirado dos escombros de sua casa após ficar 22 horas soterrado no Nepal (Foto: Amul Thapa/Kathmandu Today via AP)Foto de domingo (26) mostra o bebê Sonit Awal sendo retirado dos escombros de sua casa após ficar 22 horas soterrado no Nepal

Veja o que abre e fecha no Dia do Trabalhador em Petrolina, PE

No centro de Petrolina, PE, o comércio será fechado na terça-feira (4) (Foto: Magda Lomeu / GloboEsporte.com)
Comércio de Petrolina - PE


Nesta sexta-feira (1º) é comemorado o Dia do Trabalhador em todo país. Em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, o feriado altera o funcionamento do comércio, de repartições públicas, bancos e do shopping da cidade.
Comércio:
As lojas do comércio serão fechadas na sexta-feira (1º), mas funcionam normalmente no sábado (2).

Bancos:
As agências bancárias vão funcionar até quinta-feira (30) e reabrirão na segunda-feira (4).

Shopping:
No Shopping, as lojas e o Expresso Cidadão estarão fechados durante o feriado. Enquanto a praça de alimentação e de lazer permanecem em funcionamento, das 12h às 22h. No sábado (2) e domingo (3), o funcionamento retoma aos horários normais.

Prefeitura:
Na Prefeitura de Petrolina, funciona apenas os serviços essenciais como limpeza pública.

Estudante da Univasf morre atingida por golpes de faca em Petrolina, PE

Estudante Laise Paulo Damasceno




Uma estudante de 31 anos, do curso de enfermagem da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), morreu nesta quinta-feira (30), após ser atingida por aproximadamente 40 golpes de faca, em Petrolina, no Sertão de Pernambuco.

O crime ocorreu na Lanchonete da Univasf, localizado no Campus Sede, em Petrolina. A estudante chegou a ser socorrida para o Hospital Universitário (HU), mas não resistiu aos ferimentos.

Segundo a enfermeira da sala vermelha do HU, Laise Paulo Damasceno, a estudante chegou à unidade hospitalar sangrando muito, teve uma parada cardíaca, foi reanimada, mas veio a óbito logo em seguida. Os golpes atingiram o pescoço e o peito da vítima.

O homem que cometeu o crime foi detido pela vigilância do Campus, até a chegada dos policiais da Companhia Independente de Operações e Sobrevivência na Área de Caatinga (Ciosac). O suspeito foi preso em flagrante e encaminhado para a Delegacia de Homicídios.

Em nota, a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), informou que a mulher era estudante do Programa de residência em Enfermagem, Urgência e Emergência. A instituição suspendeu as atividades letivas desta quinta-feira (30) e decretou luto oficial de três dias.


Elemento sendo preso pela Ciosac

Tumulto no restaujrante da Univasf quando a enfermeira foi esfaqueada

Elemento sendo preso pela Policia

IR 2015 termina à meia-noite; evite multa

Através do link a seguir você poderá entregar a sua declaração de 2015, clicando http://idg.receita.fazenda.gov.br/

Declaração Download de Programas

Resultado de imagem para imposto de renda 2015
Faltam poucas horas para o fim do prazo de declaração do Imposto de Renda: o contribuinte que ainda não enviou o documento tem até as 23h59 desta quinta-feira (30) para fazê-lo sem receber multa. A multa mínima por atraso é de R$ 165,74, mas pode atingir até 20% do imposto devido.
Até as 17h de quarta-feira (29), a receita ainda esperava receber cerca de 4,2 milhões de declarações. Com o excesso de contribuintes enviando a declaração num período curto, o sistema da Receita pode enfrentar instabilidade, como ocorreu em anos anteriores, e exigir paciência.
Incompleta
Mesmo aqueles que não conseguiram reunir todas as informações para o preenchimento ou tem dúvida sobre algum valor devem enviar a declaração incompleta para evitar a multa. Os especialistas recomendam que os contribuintes mandem a declaração do jeito que conseguir. Isso porque, mesmo fora do prazo, existe a opção de fazer uma declaração retificadora para evitar cair na malha fina da Receita.
Dessa forma, o contribuinte evita a multa e pode então se dedicar a recolher as informações que faltaram para fazer "com mais cuidado" a declaração retificadora. É preciso estar atento, no entanto, ao modelo da declaração: depois do fim do prazo, não é possível alterar o modelo da declaração original (simples ou completa).
Vale lembrar que a declaração retificadora também é válida em caso de problemas ou erros na declaração já entregue pelo contribuinte. O prazo para retificar a declaração é de 5 anos, mas a recomendação é que o contribuinte realize o processo rapidamente, para não correr o risco de ficar na malha fina.
O contribuinte deve ter o número do recibo de entrega da declaração anterior para fazer a retificadora, que deve ser entregue no mesmo modelo (completo ou simplificado) adotado na declaração original. Somente se a entrega da retificadora for antes de 30 de abril será possível alterar o modelo.
Quem precisa declarar
Estão obrigadas a apresentar a declaração as pessoas físicas que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 em 2014 (ano-base para a declaração do IR deste ano).
Também devem declarar os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado.
"Também deve declarar quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência de imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias e futuros, assim como quem auferiu ganhos ou tem bens ou propriedade rurais de acordo com os valores estabelecidos pela Receita", lembra Aristeu Tolentino, especialista em IR da Prolink Contábil.

Governo planeja reduzir custo da energia a partir de 2016, diz Braga

De acordo com ele, esse barateamento viria com o desligamento, a partir de 2016, de usinas termelétricas mais caras, movidas a óleo, cujo custo para produzir 1 megawatt-hora de energia chega a superar R$ 1 mil. Para se ter uma ideia, hidrelétricas geram esse mesmo megawatt-hora por pouco mais de R$ 100.

O objetivo é substituir as térmicas a óleo por novas unidades, que usam gás natural ou biomassa como combustível e, por isso, têm custo de produção mais baixo. Entretanto, se a crise no setor elétrico persistir no ano que vem, as mais caras continuariam a ser usadas para garantir o atendimento da demanda.

Desde o final de 2012, o governo vem mantendo funcionando todas as térmicas disponíveis, devido à falta de chuvas que reduziu o armazenamento de águas nas represas de nossas principais hidrelétricas. Hoje, as térmicas produzem cerca de 20% de toda a eletricidade consumida no país e ajudam a poupar água dos reservatórios. Entretanto, como essa energia é mais cara, vem contribuindo para o aumento das contas de luz.

Patamar internacional
Com a substituição das térmicas, o governo quer forçar o “declínio no custo médio de geração” de energia no país para iniciar o processo de barateamento da tarifa. O tarifaço de 2015 prejudica consumidores, comércio e indústria e causa desgaste ao governo Dilma Rousseff.

“A nossa estratégia é, até janeiro de 2019, trazer o custo de geração [de energia] no país para uma média que seja internacional”, disse o ministro, sem fixar um valor.

Para contribuir na contratação dessas novas termelétricas mais baratas, o ministro conta com o leilão de energia de reserva marcado para 29 de maio. Ele prevê o início da entrega de energia pelos empreendimentos em 1º de janeiro de 2016.

Na semana passada, quando discutiam a abertura de audiência pública para debater o edital do leilão, diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) demonstraram preocupação com o prazo, considerado curto, para que as usinas sejam construídas e entrem em operação. E informaram que proporiam ao Ministério de Minas e Energia a postergação de datas.

De acordo com Braga, porém, a data de 1º de janeiro de 2016 para início da operação das novas térmicas é “inegociável.”

“É inegociável o 1º de janeiro, não temos como atrasar a entrada dessa energia sob pena de corrermos riscos desnecessários durante o período úmido de 2016”, disse o ministro. Para ele, não há risco de desinteresse de investidores por conta dos prazos apertados.

A proposta do edital prevê que poderão participar do leilão apenas projetos para usinas a gás natural com custo de produção máximo de R$ 330 por megawatt-hora.

Racionamento
Braga avaliou que o risco de o Brasil enfrentar um racionamento em 2015 “tende a zero.” O otimismo se deve à melhora registrada nos últimos meses no armazenamento de água dos reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste. Essas usinas respondem por cerca de 70% da capacidade de geração elétrica do país e sofrem com a estiagem desde o final de 2012.

“Eu diria que no ano de 2015 a probabilidade de racionamento tende a zero. Nós estamos a cada dia mais distante [do racionamento], mas tem sido uma administração diária porque, como sabemos, a crise hídrica foi muito profunda e tem sido muito profunda”, disse Braga.
Após enfrentarem em 2015 o janeiro mais seco dos últimos 85 anos, essas hidrelétricas voltaram a receber chuva com mais intensidade em fevereiro, março e abril. O nível médio de suas represas, que era de apenas 16,84% em 31 de janeiro, chega ao fim de abril, que marca o encerramento do período úmido no Sudeste e Centro-Oeste, em 33,3%.
Esse índice é o pior para essa época do ano desde os 32,18% registrados ao final de abril de 2001, ano do último racionamento de energia no Brasil. No mesmo mês de 2014, era de 38,77% e, em 2013, de 62,45%.
Segundo o ministro, porém, a água armazenada é suficiente para garantir o abastecimento no país pelo restante do ano, principalmente se confirmada a previsão de institutos de meteorologia de que as chuvas continuarão intensas no mês de maio, na transição do período úmido para o seco.
Outro fator que já colabora para a melhora da situação nos reservatórios é a queda no consumo de energia no país que, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia, foi de 0,6% no primeiro trimestre do ano, resultado puxado pela desaceleração da economia.
Braga afirmou que a tendência agora é que os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste cheguem ao início de 2016 em uma situação melhor que a do começo deste ano.
“Tudo indica que chegaremos a 2016 com uma reservação de água variando entre 18% a 25%”, afirmou.